VEJA NOTA : Aspol não recua com ameaças, mantém paralisação e agora anuncia ato para entrega coletiva de coletes vencidos na PC

Please enter banners and links.

A Aspol – Associação dos Policiais Civis da Paraíba – lamentou a sequência de equívocos da Delegacia Geral, que em Ofício Circular, confundiu greve com paralisação, e ameaçou o direito de luta da categoria por melhores condições de trabalho, e ainda por fechar os olhos para problemas estruturais que os policiais enfrentam no dia a dia. A Aspol não vai recuar diante das ameaças da Delegacia Geral e reafirmou que está mantida a paralisação para esta quarta feira, dia 27 , e anunciou também que haverá um ato coletivo para entrega dos coletes vencidos na Polícia Civil. Veja a nota abaixo :

Prezados associados,

Em razão do Ofício Circular n. 30/2017 da Delegacia Geral da Polícia Civil, cumpre esclarecer e pontuar o seguinte:

1. A Delegacia Geral tem tratado nossa paralisação como sendo um movimento grevista, o que não se pode confundir. Isso porque a paralisação não possui caráter duradouro, elemento essencial para configurar-se uma greve. Logo, indevido qualquer entendimento que venha a confundir os dois institutos;

2. A paralisação que se avizinha foi comunicada com antecedência à Delegacia Geral, em nítida demonstração de boa-fé que deve nortear a atividade policial, independentemente do cargo ou da posição ocupado pelos integrantes da Polícia Civil;

3. _O comportamento adotado pela Delegacia Geral, órgão policial comandado por cerca de 10% dos policiais civis, revela-se equivocado na medida em que os mais idôneos índices demonstram que mesmo sendo a categoria dos investigadores paraibanos a menos remunerada entre os Estados-membros, consegue melhores os índices de resolução de crimes e diminuição de homicídios, negando aos policiais o direito líquido e certo de promoverem manifestação pacífica e sem caráter duradouro;

4. Medidas como estas demonstram, inequivocamente, que determinados setores da Polícia Civil preferem fechar os olhos para os problemas estruturais que a classe enfrenta, tentando cercear gravemente a liberdade de manifestação dos servidores públicos;

5. Desta forma, além de se mostrar inaplicável o entendimento formulado pela Delegacia Geral, uma vez não se tratar de movimento grevista, a ASPOL vem a informar que segue mantida a paralisação decidida por unanimidade em Assembleia Geral, exercendo seu sagrado e constitucional direito de lutar por dias melhores na Segurança Pública paraibana.

Veja abaixo os 22 mootivos que a Polícia Civil da Paraíba tem para paralisar atividades nesta quarta feira, dia 27 :