ESCÂNDALO DO LIFESA – Investigação Calvário revela como Ricardo Coutinho utilizou “laranjas” para obter lucros pessoais usando o Laboratório Farmacêutico do Estado

Please enter banners and links.

O Ministério Público da Paraíba, através do Gaeco ofereceu nova denúncia nesta sexta-feira, dia 22 contra o ex-governador Ricardo Coutinho.

O caso “Lifesa” é desdobramento das investigações da Operação Calvário, e a nova denúncia está na 1ª Vara Criminal da Capital, que tem como titular o juiz Adilson Fabrício.

A investigação aponta que o ex-governador comandou um esquema para lucrar com a movimentação de recursos pelo Lifesa – Laboratório Industrial Farmacêutico do Estado da Paraíba S/A.

Segundo a investigação apurou veja os passos adotados para que os integrantes do esquema pudessem faturar financeiramente com a operação :

1º passo – Estruturar o Lifesa, o que foi feito pelo Governo com recursos públicos;

2º passo – Utilizar uma empresa (Troysp) para comprar a integralidade das cotas disponíveis ao capital privada no Lifesa (empresa pública);

3º passo – Realizar contratos para que o Lifesa fornecesse medicamentos a entidades públicas através das Organizações Sociais Cruz Vermelha e IPCEP, contratadas pelo Governo do Estado para administrar hospitais na Paraíba;

4º passo  – Utilizar Cruz Vermelha e IPCEP para realizar dispensa de licitação nos contratos de fornecimento de medicamentos;

5º passo – Ricardo Coutinho controlava a empresa, através de colocação de “laranjas” como supostos empresários responsáveis;

6º passo – A partir dos negócios financeiros do Lifesa em fornecer medicamentos através de parceria com Cruz Vermelha e IPCEP, a empresa TROYSP retirava seus ganhos do negócio, gerando recursos ao mentor do esquema, o ex-governador Ricardo Coutinho.

Além de Ricardo Coutinho também estão denunciados na nova denúncia a esposa dele, Amanda Rodrigues, ex-secretária de Finanças do Governo do Estado, Coriolano Coutinho, irmão do ex-governador, Gilberto Carneiro, ex-procurador-Geral do Estado, Waldson de Souza, ex-secretário de Saúde, de Planejamento e de Articulação do Governo, Daniel Gomes da Silva, ex-controlador da Cruz Vermelha , Aluísio Freitas de Almeida Júnior e Maurício Rocha Neves.