DADOS DO IBGE REVELAM : João Pessoa lidera ranking de oferta de vagas em creches entre as 9 Capitais do Nordeste

Please enter banners and links.

A Capital da Paraíba é destaque da pesquisa do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – no que se refere a oferta de vagas de creches para crianças de 0 a 3 anos de idade.
Os números do IBGE referente aos anos de 2012 a 2018 revelam João Pessoa em primeiro lugar entre as 9 Capitais do Nordeste com aumento de 163% no número de vagas.
VEJA MATÉRIA COMPLETA :
Dentre as nove capitais nordestinas, João Pessoa foi apontada como a que apresentou o maior crescimento no número de vagas nas creches para crianças entre 0 e 3 anos. O levantamento, produzido a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apresenta a rede municipal com um aumento de matrículas superior a 163% entre os anos de 2012 e 2018.
A capital paraibana ficou bem à frente de cidades como Fortaleza (99,7%), Salvador (90,6%), Natal (80,9%), Aracaju (63,3%), Maceió (54%), Recife (17,3%) e São Luís (8%). Entre os municípios que não apresentaram aumento, aparece apenas Teresina, com queda de 15,4%.
Segundo Luciano Cartaxo, o resultado é fruto da priorização dada pela gestão à primeira infância. “Não medimos esforços quando é o futuro de uma geração que está em jogo. Em oito anos, saímos de 43 creches para 89 e vamos entregar novas unidades ainda este ano, reduzindo um déficit histórico no número de vagas”, afirmou o prefeito de João Pessoa.
De acordo com Secretaria Municipal de Educação, um dos destaques é o aumento da oferta de berçários, que saltou de 200 vagas para 1.800, atendendo bebês a partir dos seis meses de idade. “Este é um serviço de referência que passou a fazer parte do cotidiano das famílias da cidade. As mães sabem que podem contar com espaços de infraestrutura completa, dando conforto e segurança para quem está começando a vida”, disse a secretária de Educação, Edilma Freire.
A secretária destacou ainda a independência financeira que as creches dão à população feminina. “É um diferencial na vida das mulheres. Para as mães, que confiam e deixam suas crianças nas nossas unidades e vão em busca da sua independência financeira, mas também para as mulheres que prestam serviço às creches, como cozinheiras, lactaristas, zeladoras.Em geral são mulheres com mais de 40 anos, que o mercado de trabalho não absorve, mas que têm potencial e serviço de qualidade a prestar às nossas crianças”.
*Educação infantil* – Apenas 34,2% das crianças brasileiras com idades entre 0 e 3 anos frequentavam unidades de ensino em 2018, segundo apontou o IBGE. O número é equivalente a 3,5 milhões de estudantes. Comparado ao ano de 2017, o crescimento foi de 1,5% pontos percentuais, incorporando à rede de ensino 158 mil novas crianças.
*Ranking*
_Crescimento de matrículas municipais em creches (0 a 3 anos)_
1º João Pessoa (163,2%)
2º Fortaleza (99,7%)
3º Salvador (90,6%)
4º Natal (80,9%)
5º Aracaju (63,3%)
6º Maceió (54%)
7º Recife (17,3%)
8º São Luís (8%)
9º Teresina (-15,7%)
_Fonte: IBGE – dados de 2012 a 2018._