Ex-secretária Livânia Farias e mais 5 viram réus por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, em 1 dos processos da Operação Calvário

Please enter banners and links.

A juíza Andréa Lopes Gonçalves Lins, da 5ª Vara Criminal da Capital, recebeu a denúncia oferecida pelo Ministério Público da Paraíba, através do Gaeco, contra a ex-secretária Livânia Farias, e mais cinco pessoas por crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e falsidade ideológica.

Livânia Farias foi presa na terceira fase da Operação Calvário, deflagrada no último dia 16, quando foi cumprido mandado de prisão preventiva expedido pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida, do Tribunal de Justiça da Paraíba. A referida Ação Penal trata do recebimento de propina  da Cruz Vermelha Brasileira, pela ex-secretária, recursos com os quais ela comprou uma casa na cidade de Sousa.

Também viraram réus na mesma Ação Penal, o diretor nacional da Cruz Vermelha, Daniel Gomes da Silva, e assessora dele, Michelle Louzada Cardoso, o ex-assessor da secretária Livânia, Leandro Nunes de Azevedo, Maria Aparecida de Oliveira, e Elvis Rodrigues Farias.

A juíza determinou a citação dos denunciados para exerceram suas defesas, especificamente resposta à acusação, e pediu aos promotores do Gaeco para se pronunciarem a respeito do pedido de revogação de prisão feito pela ex-secretária Livânia Farias. Outros processos investigatórios tramitam na Justiça e podem tornar Livânia Farias e outros investigados em réus em outras ações penais.